terça-feira, 27 de junho de 2017

Promessa


são as flores
em meio ao caminho
perfumes e pétalas
o tempo contra maré
feito de espinho
a trilhar...

o passado
amargo elemento
que não seja sentimento futuro
uma simples ação diluída, destilada...


displicentemente
expreitam- nos
olhos apunhalados de per si
sem culpa ou remorsos
não o caso nosso
e por ironia ao redor
buscam honra sem esforço
assim qualquer forma de retribuição,
ainda  sim
não o nosso caso
por assim dizer
e sempre em ti ouro reluzente
levará  contigo
o que eu tiver as mãos...

seja
vagalume em pote
borboleta asa de vidro
vintém ou anel
inda que tu venhas a falhar comigo
tua coroa se fará eterna
radiará teu brilho displicente
no silencio...

Nenhum comentário:

Postar um comentário